Crianças que mordem ou são mordidas

Crianças que mordem

Muitas crianças, todos os dias são mordidas. Os sinais deixados pelos dentes do amiguinho no corpo do nosso filho está entre as coisas que mais incomodam os pais.

A primeira pergunta é como a professora não percebeu, porque não evitou. Em seguida culpamos os pais, afinal, que tipo de educação estão dando para essa criança em casa. Nossos filhos são as vítimas. Mas não demora muito e nosso filho, lindo educado, carinhoso, se torna o mordedor da vez.

Ficamos com dó, pensamos mil coisas, mas crianças que reagem mordendo é normal durante a primeira fase da infância. É mordendo que muitas vezes expressam desejos ou frustrações, pois ainda não conseguem falar dos seus sentimentos.

Mesmo sendo normal, não podemos ignorar esse comportamento da criança. Embora seja uma forma de expressão não devemos aceitar… Temos que dizer isso é errado e ensiná-la a pedir desculpas. “Ela também deve se comprometer a não fazer mais isso e sem a promessa de receber algum tipo de recompensa. Diga que isso é errado, que não podemos morder os outros, que você não vai aceitar que ela machuque outras pessoas.”

crianças_que_mordem_maesbrasileiras_com_br

*A terapeuta infantil Thaís Moraes diz que “morder, puxar e agarrar representam as principais vias de comunicação e de exploração do ambiente” para crianças de até 3 anos. “Tais comportamentos são esperados e até mesmo desejáveis, já que a exploração do meio permite à criança construir ativamente entendimentos e conhecimentos sobre a realidade, baseadas nas próprias experiências”, afirma.

E como ensinar a criança mordedora a parar de morder?

“É importante nomear o sentimento que motivou o ato, bem como o sentimento da criança que foi mordida . “Quando ela começar a chorar ou a gritar, pergunte: ‘Meu filho, você está bravo porque quer o brinquedo, é isso? Então diga: “eu quero o brinquedo”. E assim que seu amigo terminar de brincar será a sua vez. Não precisa gritar nem morder. Diga que nós vamos entender.”

Se o seu filho está sendo mordido, nunca o ensine a revidar mordendo. Segundo Thaís, é importante que os pais também nomeiem o sentimento de ser mordido ao filho e expliquem o que aconteceu. “Digam que o comportamento do colega não foi legal e que ele não poderia ter mordido. É importante que o pai acolha e valide a emoção do filho sem, contudo, incentivá-lo a revidar.” (terapeuta infantil Thaís Moraes)

O Arthur

Ainda não chegou mordido em não mordeu ninguém, ma não me iludo achando que vai ser sempre assim. Começou no colégio recentemente, e o medo que tenho em encontrar o pequeno mordido, me apavora!!

E depois de tanto ouvir casos e ver fotos de crianças mordidas, quis entender um pouco mais sobre o assunto e fui em busca desse post. Crianças que mordem !

Agora deixo você com a opinião e experiência de 11 mães blogueiras. Conheça os seus segredos.

CRIANÇARIA

‘Não tenho crianças que mordem, ou foram mordidas, mas já tive problema com crianças que batiam. Na verdade não deve ser fácil para as famílias nem do que morde e nem do que é mordido. Muitas vezes essa é a forma usada pela criança para exteriorizar algo ou para chamar a atenção. Enfim, sempre tento ensinar as meninas a se defenderem. No caso que aconteceu de um menino que batia em todos da sala, ensinei a Clarinha a se afastar da criança e se necessário fosse, de chamar a professora, de gritar, chamar a atenção e ficar brava. Admito que se isso fosse recorrente, teria recorrido à escola e talvez aos pais. Mas os conselhos deram certo e ela aprendeu a se defender. Nunca tive esses problemas com a Julinha, mas acho que falaria o mesmo. Se elas fossem as minhas crianças que mordessem ou batessem, eu tentaria conversar muito em casa e instituir sistema de recompensas para bom comportamento.”

O BLOG: Bela Aires é advogada e mãe de duas princesas de 7 e 4 anos. Desde que se tornou mãe passou a ter um interesse ainda maior por todo o universo materno e/ou infantil. Assim, surgiu o Criançaria, um site onde ela divide suas experiências e muitas informações. Conheça o blog. www.criancaria.com.br

UNIVERSO JATOBÁ

“Até pedir ajuda ao pediatra foram 6 meses e umas 50 mordidas! Do nada minha filhota cravava os dentes nas partes mais inesperadas do meu corpo. E nao adiantava explicar ou repreender. Comecei a achar que estava errando na educacao e só respirei aliviada quando o medico disse que as dentadas nao eram por falta de cuidado da mae, mas sim, por conta de seu momento de desenvolvimento. Ate três anos de idade as mordidas sao normais , uma forma de a criança se expressar. Como a linguagem ainda não está totalmente desenvolvida, as agressões físicas como os empurrões e as famosas mordidas são o recurso mais rápido para demonstrar contrariedade.

Entao, nem pense em castigar seu filhote ou morder de volta. O melhor é conversar com a criança e mostrar que machuca! Agora, fique atenta à idade. Se ela continuar mordendo depois dos 4 anos, algo não vai bem e precisa ser investigado com maior atenção.”

O Universo Jatobá é um portal de bem estar e sustentabilidade que entende que o equilíbrio é a chave de uma vida saudável e completa. Como mãe de gêmeos, eu, Rosana Jatobá, também falo dessa experiência maravilhosa e procuro ajudar outras mães nessa incrível missão. Conheça o blog www.universojatoba.com.br

LETICIA DREAM BABY

“Quando Ben voltou da escolinha com a primeira marca de mordida fiquei impressionada com a minha reação. Eu pensava que ficaria brava ao ver meu filho mordido, mas na verdade a primeira coisa que pensei foi: Será que ele também mordeu a outra criança? Tive medo de meu filho ter machucado alguém. Eu sentiria vergonha, pois em casa ele nunca havia feito isso. A professora disse que ele não tinha mordido ninguém e aquilo foi um grande alívio pra mim. A mordida que ele levou não foi das piores e ele pareceu nem se importar com aquilo, coisa de criança. Eu sabia que aquilo iria acontecer, mais cedo ou mais tarde. Mesmo assim foi um marco em sua vida escolar. Se algum dia alguma criança machucar meu filho (mais que uma mordidinha), com certeza ficarei brava e pedirei explicações para a professora! É papel da escola deve evitar que uma simples briga de criança vire algo potencialmente perigoso.”

O BLOG: Leticia Dantas é mãe do Ben, blogger e social media mom. Ela é também a criadora do canal Mães na Disney, onde compartilha dicas de viagem. Em seu blog ela traz informações e inspirações relevantes sobre o mundo materno, afinal a vida é melhor com filhos. Conheça o Blog: www.leticiadreambaby.com

MAMÃE DE CASA

“Gustavo já teve a fase de morder que, graças a Deus e a muita paciência e assertividade, passou voando! Gu não vai à escola e nunca foi mordido, nem brincamos de morder, mas observamos que ele mordia quando estava extremamente feliz ou excitado. Como só mordia a mim e ao papai, conseguimos contornar a situação de maneira fácil e sem traumas. Sempre que ele nos mordia, dávamos uma bronca bastante exata, dizendo que aquilo não podia ser feito, que fazia dodói e pedíamos para fazer carinho em seguida. Quando ele abraçava alguma criança eu já ficava esperta, “protegia” sua boca enquanto ele abraçava e, por diversas vezes, a mordida foi na minha mão. Desse modo sempre evitamos a mordida em outra criança.”

O BLOG: O blog Mamãe de Casa foi criado pra dividir o dia a dia de uma mãe em tempo integral, cheia de expectativas, dúvidas, sonhos e medos, mas com muita disposição para aprender e bastante humor para escrever.. Criação com apego é a minha filosofia! Conheça o Blog www.mamaedecasa.com.br

MÃE FORA DA CAIXA

“Essa questão de morder é muito comum acontecer quando ainda são pequenos( 2/3 anos) , e o grande problema disso é que nessa idade as crianças ainda não sabem se defender. No meu caso que foi na escola deixei e confiei que fossem conduzir da melhor maneira para acabar com o problema. E foi o que aconteceu. Entretanto penso que se as mordidas não param e são frequentes deve-se ficar em cima pois a criança que é mordida pode sofrer com isso.”

O BLOG: Sou Thaís, e junto com a Gabi escrevo o Blog Mãe Fora da Caixa. Nosso blog fala para mulheres que pensam além da maternidade. Escrevemos para vocês, mães, que empenham-se com amor para criar e educar os filhos, mas que também valorizam e conseguem apreciar tantas outras coisas na vida. Conheça o Blog. www.maeforadacaixa.com.br

PARA CRIANÇA

“Alice já levou uma mordida de uma criança, e minha reação, na hora, foi a de olhar bem nos olhos dela (Alice) e dizer que na próxima vez ela precisará se defender, fazendo com a mão o gesto de parar. Repeti três vezes. Bem séria e firme. Depois, dei um abraço acalentando e dizendo que ela não deve fazer o mesmo com os outros, e que se defender faz parte dessas situações. Ela ainda não mordeu ninguém, e espero que ela não o faça, mas penso que é uma fase que algumas crianças enfrentam e que, com orientação adequada, pode sim ser evitada.”

Karina Ruela é mãe da Alice, de 3 anos e 2 meses, responsável pelo Para Criança. O Para Criança existe para incentivar a ligação entre pais e filhos através de passeios, cultura, diversão, entretenimento e viagens. Aproveitar a infância é essencial! Acesse: www.paracrianca.com.br

50 TONS DE MÃE

“É muito complicado pensar que seu filho pode ser ferido por outro alguém
não é? Mas acho que é aí, na hora que ocorre, que devemos exercer o papel
de pais e isso, pra mim, é explicar que a melhor forma de “revidar” é não
fazer a mesma coisa. Por mais que a emoção “fale” mais alto que a razão,
devemos pensar no cidadão que estamos educando para o futuro pois o que
hoje é “só” uma mordida, amanhã poderá ser algo muito pior.”

Sou Isabela Falleiros e escrevo para o 50 Tons de Mãe, onde compartilho minhas experiências e descobertas como mãe, além de coisas que toda mulher gosta. http://50tonsdemae.com/

BLOG CLUBE DE DUAS

“Eu sempre penso que se é um fato isolado não é problema, muitas vezes acontece como defesa de algo, já aconteceu do meu filho ser mordido, eu me chateei, mas entendi que é coisa de criança. O preocupante é quando vira rotina, quando é uma criança agressiva com todos os coleguinhas ou até mesmo com apenas um coleguinha. Penso que esta agressividade é um comportamento fora do padrão para a criança e que precisa ser acompanhada de perto pelos pais para identificarem o que leva a criança a extravasar desta forma, pois acho que é o mesmo quando acontece com nós adultos. As vezes perdemos a cabeça por algo e muitas vezes sabemos exatamente todos os problemas que nos levaram a extravasar com agressividade, a diferença é que muitas ocasiões nós adultos sabemos identificar o problema que nos levou a este comportamento fora do normal, diferente da criança, que precisa ser chamada atenção quando acontece, não sabe o que a levou a agir desta forma e precisa aprender que o comportamento está errado.”

Sou Thieli, empresária e mãe de três meninos, escrevo o blog Clube de Duas há 6 anos, um blog divertido, dedicado a lifestyle, moda e maternidade. Conheça o blog www.clubededuas.com

CLUBE DA FRALDINHA

“Morder e ser mordido são ações que acontecerão inevitavelmente no desenvolvimento do seu filho, hoje mordido, amanhã mordedor. Acontece. Bebês não sabem dominar as emoções, por isso não sabem como agir em situações onde são contrariados, ou se sentem ameaçados. O papel do educador é muito importante para mediar essa situação e explicar que é algo que não se deve fazer.”

O BLOG: O Clube da Fraldinha trata dos mais diferentes e variados temas ligados à gestação e à maternidade. Falamos de decoração, festas, cuidados, dia-dia, produtos, comportamento, educação, higiene, lazer e muito mais. Entrevistas com mães famosas, programação infantil, dicas de viagens e colunas profissionais são nossos destaques. Conheça o Blog. www.clubedafraldinha.com

MAMÃE DE PRIMEIRA VIAGEM

“Semana passada Laura foi mordida de novo por uma amiga da sala dela. Na agenda da escola não se diz quem mordeu, mas ela já saiu da escola contando na calçada hahaha Laura nunca mordeu ninguém, mas entendo que seja uma forma que a criança tem de manifestar algo que não consegue verbalizar. Era mais comum quando ela era menor, quando a criança tem menos vocabulário, mas, ainda sim, um episódio ou outro acontece. Claro que fico chateada pensando não só na dor física, mas no quanto a Laura deve ficar se sentindo quando uma amiga a agride (seja mordida, sejam palavras mais duras ou alguma outra manifestação agressiva), mas faz parte do crescimento, de lidar com a frustração, de aprender a se defender. Não alimento o episódio ou o torno maior do que acho que deva ser, rebuscando o assunto. Apenas pergunto o que houve e como ela lidou com aquilo. Digo que morder é feio mesmo, mas que a amiga não deve fazer de novo, que ela errou na forma de dizer que não gostou de algo. Enfim, dói no meu coração, mas preciso pensar “maior”, pensar em como educar a partir daquilo e no crescimento dela.”
 
Mariana Belém é editora e responsável pelo blog Mamãe de Primeira Viagem (www.mamaedeprimeiraviagem.com) que começou há 4 anos dentro do portal da Veja SP, já grávida da sua primeira filha Laura. Criado para dividir suas angústias e dores ao perder um bebê antes de ter sua primeira filha, o blog segui de forma independente e acabou por tomar o rumo de dividir suas novas experiências como mãe e mulher com objetivo de “abraçar” outras famílias em momentos delicados, especiais, inseguros, emocionantes e difíceis da vida pós maternidade.