Estimulando a imaginação do bebê

Estimulando a imaginação do bebê

 

 

Estimulando a imaginação do bebê

Fonte da imagem: Google

 

Estimulando a imaginação do bebê

Bebês são como cientistas, cada objeto, som e movimento é estudado cuidadosamente pelos pequenos com a maior curiosidade. As descobertas, por mais simples que pareçam aos adultos, como perceber que ligando a torneira sai água, trazem um enorme aprendizado.
Eles descobrem o mundo experimentando, interagindo e brincando. Mais do que diversão e jeito de passar o tempo até chegar à idade escolar, brincar é uma mina de conhecimento e estímulos para os pequenos. Cada idade tem seus jogos, brinquedos e brincadeiras.

A coordenação motora, a noção espacial e de tempo, a maturidade emocional, o grau de independência, os hábitos e incentivos recebidos influenciam as preferências de cada criança. Pense nisso antes de organizar uma brincadeira em conjunto.
Muito do que seu filho vai gostar de fazer dependerá do que você oferecer, seja em materiais (os brinquedos e objetos), seja em exemplos e estímulos de imaginação (como nas brincadeiras de faz-de-conta). Brincar só faz bem e, quanto mais e mais variadas as atividades, melhor.

Fonte da imagem: Google

 

Estimulando a imaginação do bebê

Cor, som e gosto
Nos primeiros meses, brinquedos coloridos que produzem sons, como móbiles e caixinhas de música, despertam a atenção do pequeno. Brinquedos leves, macios e que possam ser levados à boca, como chocalhos e mordedores de borracha, são os preferidos. A partir dos seis meses, potes coloridos, objetos do cotidiano como telefone e colher, brinquedos de encaixar e blocos de empilhar são divertidos. Deixe a criança explorá-los em um colchonete no chão. Fique atenta a peças pequenas, partes soltas e pontas afiadas para evitar acidentes, porque bebês adoram provar o gosto de tudo.

Movimento e paisagem
O grande desafio das crianças de cerca de um aninho é aprender a andar , por isso, incentive brincadeiras sensoriais e que estimulem a coordenação motora. Mexer na terra ou apenas sacudir o corpo no ritmo de uma música. Passeios, como ir ao parque, ver novas paisagens e brincar na areia são estimulantes e proporcionam imenso prazer aos bebês, pois mexem com os sentidos.

É imitando que se aprende
O primeiro jogo que surge para os bebês é o da imitação. O grande desafio da criança pequena, já nos primeiro meses de vida, é tentar reproduzir as ações realizadas pelos adultos. Segurar uma caneca e tentar encher com água, subir sozinho uma escada, rabiscar com uma caneta, embalar uma boneca, arrumar uma bolsa… Se a atividade não envolver riscos para o bebê, deixe-o à vontade. É um momento de grande desafio para os pequenos testar se também são capazes de imitar o vêem seus pais fazendo tão rotineiramente. É como se os objetos dissessem à criança o que ela deve fazer.

No mundo do faz-de-conta
Depois de dominar a ação sobre os objetos, a próxima etapa será dar um novo significado para cada um. Um pedaço de madeira vira uma espingarda, uma folha de papel transforma-se em dinheiro, a boneca vira um bebê. É o jogo do faz-de-conta, é por meio desse jogo que o pequeno procura compreender os papéis sociais, as linguagens e as ações que compõem o complexo mundo real. Por isso as crianças gostam tanto de brincar de casinha, caminhãozinho, médico, escolinha e tantas outras atividades sociais.

Fonte da image: Google

Todas as brincadeiras podem (e devem) ser feitas com o pequeno. Até mesmo assistir a vídeos educativos será mais produtivo e agradável com a companhia dos pais. Além disso, você pode aproveitar para recuperar a sua própria memória de infância, ensinando a seu filho suas antigas brincadeiras favoritas. Pais e filhos que brincam juntos fortalecem laços de confiança, respeito e amizade.

E qual foi sua maior dificuldade nos cuidados com seu filho, até agora? Compartilhe