Irritação ou Transtorno Depressivo Infantil?

Irritação ou Transtorno Depressivo Infantil?

As crianças e adolescentes ficam irritados com pouca coisa, porém os pais precisam tomar um pouco de cuidado, pois pode ser manha. Muitas vezes nos vemos em situações constrangedoras e temos que contar milhões ou trilhões de vezes antes de explodir junto, até porque no momento parece não existir a “mágica” do entendimento. Mas se acalme, você não é unica a passar por momentos assim. Mas se o caso for muito grave merece atenção e acompanhamento de um profissional.

O ideal é tentar descobrir a verdadeira causa da irritação, afinal você pode ajudá-lo a melhorar dependendo do que for. Um dos maiores erros dos pais é tentar suprir essa irritabilidade com presentes, ou coisas favoráveis á eles.
Mas não é muito bom, pois eles podem se acomodar com a situação, fazendo sempre a mesma coisa para conseguir o que querem, ou seja, vai fazer isso de um hábito.
O dialogo pode ser a melhor alternativa, assim a criança acaba se desabafando com o que está realmente gerando conflitos com ela mesma. Procure não falar mal, aumentar o tom da voz ou fazer qualquer agressão física, pois assim não vai ganhar a confiança do seu filho .
Dê liberdade, mas ao mesmo tempo coloque limites, para que não fique uma situação pior do que se espera. Os filhos não devem achar, que podem fazer o que querem quando quiserem. A educação deve começar desde cedo.

Mas atenção, existem algumas crianças que tem o Transtorno Depressivo Infantil , é um transtorno do humor capaz de comprometer o desenvolvimento da criança ou do adolescente e interferir com seu processo de maturidade psicológica e social. São diferentes as manifestações da depressão infantil e dos adultos, possivelmente devido ao processo de desenvolvimento que existem na infância e adolescência.

Irritação ou Transtorno Depressivo Infantil?

Irritação ou Transtorno Depressivo Infantil?

Apesar da tamanha importância da Depressão da Infância e Adolescência em relação à qualidade de vida, ao suicídio, às dificuldades na escola, no trabalho e no ajuste pessoal, esse quadro não tem sido devidamente valorizado por familiares e pediatras e nem adequadamente diagnosticado.

A depressão na criança e/ou adolescente pode ter início com perda de interesse pelas atividades que habitualmente eram interessantes, manifestando-se como uma espécie de aborrecimento constante diante dos jogos, brincadeiras, esportes, sair com os amigos, etc, além de apatia, adinamia e redução significativa da atividade. Às vezes pode haver tristeza.

De forma complementar aparece diminuição da atenção e da concentração, perda de confiança em si mesmo, sentimentos de inferioridade e baixa autoestima, idéias de culpa e inutilidade, tendência ao pessimismo, transtornos do sono e da alimentação e, dependendo da gravidade, ideação suicida.

Observe se por acaso não são sinais de depressão como:

1- Mudanças de humor significativa
2- Diminuição da atividade e do interesse
3- Queda no rendimento escolar, perda da atenção
4- Distúrbios do sono
5- Aparecimento de condutas agressivas
6- Auto-depreciação
7- Perda de energia física e mental
8- Queixas somáticas
9- Fobia escolar
10- Perda ou aumento de peso
11- Cansaço matinal
12- Aumento da sensibilidade (irritação ou choro fácil)
13- Negativismo e Pessimismo
14- Sentimento de rejeição
15- Idéias mórbidas sobre a vida
16- Enurese e encoprese (urina ou defeca na cama)
17- Condutas anti-sociais e destrutivas
18- Ansiedade e hipocondria

Não é obrigatório que a criança depressiva complete todos os itens da lista acima para se fazer o diagnóstico. Ela deve satisfazer um número suficientemente importante de itens para despertar a necessidade de atenção especializada. Dependendo da intensidade da Depressão, pode haver substancial desinteresse pelas atividades rotineiras, queda no rendimento escolar, diminuição da atenção e hipersensibilidade emocional. Surgem ainda preocupações típicas de adultos, tais como, a respeito da saúde e estabilidade dos pais, medo da separação e da morte e grande ansiedade.

E seu filho, desenvolveu ou desenvolve alguns dos sinais listado acima com muita frequência? Já pensou em buscar ajuda de um profissional? Compartilhe.

Beijos!!!

Cléo (Eu e os Gêmeos)