Nova resolução do Parto Cesárea – Tudo que você precisa saber

Nova resolução do Parto Cesárea

Existe uma resolução dentro da Organização Mundial da Saúde (OMS), a qual define que o parto cesárea só deve ser usado em 30% das mulheres, já que os efeitos colaterais desse parto são bem piores do que o parto normal (naturais).

Assim, eles seriam usados em casos de emergências, nos quais, o útero feminino não abriu o suficiente para a retirada do bebê, ou em casos de gêmeos, os quais, não consigam ser retirados sem o parto cesárea.

Assim, o Brasil finalmente tomou uma medida contra a proliferação dos partos cesáreas que vinham ocorrendo no país, com uma resolução, a qual, proíbe com que qualquer tipo de parto cesárea seja agendado antes de 39 semanas, garantido assim uma maior estabilidade para as mulheres, já que antes das 39 semanas, existe um risco maior para o bebê.

nova resolucao parto cesarea

Querem saber mais sobre essa resolução e quais as regras determinadas, então, acompanhe esse texto até o final e descubra tudo sobre essa nova medida.

Quem fez essa resolução

Essa resolução partiu do CFM (Conselho Federal de Medicina), o qual, divulgou as novas regras impostas para os médicos, com relação a cirurgia cesariana no Brasil. Com isso, qualquer médico que fizer a cesárea antes das 39 semanas, pode ser denunciado e punido pelo conselho, inclusive, em casos mais sérios, com a exclusão desse médico do quadro de sócios, o que é uma tremenda punição.

Gestante deve assinar um documento prevendo os riscos e os benefícios da operação

Outra mudança nas regras dos partos cesáreas no Brasil, é que a gestante deve assinar um documento, no qual, assume os riscos do parto cesárea e diz estar consciente das consequências desse parto, o qual, segundo estudos, não seria o modo mais adequado de ser ter um filho, por isso, é uma segurança para os médicos, que as gestantes assinem esse documento. Tal documento tem sido cogitado no caso de parto humanizado.

E aí, o que acharam dessa nova medida pedida pelo CMF? Deixem suas opiniões e comentem abaixo o que pensam sobre isso. Venham fazer esse post com a gente.

Artigo por: Denise Coelho – Médica Ginecologista e Obstetra, mãe e blogueira no Portal Bebês.