Protetor solar…tem que usar

Se existe algo que não pode faltar na minha bolsa e nem em meu rosto antes de sair de casa é o protetor solar. 
Sou branquela e odeio ver meu rosto com manchas…..procuro fazer tratamentos para amenizar as mancha na mina dermatologista sempre que necessário …mas necessário mesmo é o protetor
Essa foto, que ficou famosa na internet, é de um homem de 69 anos que, durante 28 anos, trabalhou como caminhoneiro. Por todo esse período, ele ficou muito mais exposto ao sol do lado esquerdo do rosto (o lado da janela do caminhão), tendo tido um envelhecimento muuuuuito maior desse lado. Pelo menos ele não teve um câncer de pele, né?
Por isso, acreditem, o bronzeado de hoje são as rugas e manchas de amanhã! Na melhor das hipóteses. E o protetor solar é a forma mais prática de se proteger disso. E não é pra usar só quando for pra praia, viu? A exposição solar constante, do dia a dia mesmo, é a principal responsável pela maioria dos problemas que o sol causa. Então, temos que passar protetor solar todas as manhãs e o correto seria reaplicá-lo a cada 4 horas!
.
O famoso FPS, a primeira coisa que reparamos em um protetor solar, mede apenas a proteção contra os raios UVB, responsáveis pela queimadura solar que acontece quando torramos na praia. Essa proteção é muito importante sim, pois além de queimar, os raios UVB agem diretamente no DNA, podendo levar ao câncer de pele. Entretanto, o FPS não indica nenhuma proteção contra os raios UVA. Esses, além de também causarem alguns danos no DNA pela produção de radicais livres, interferem na produção e degradação de colágeno e outras coisas que existem na pele, provocando envelhecimento. Pra quem gosta de ficar bronzeado, é bom saber que os responsáveis por isso também são os raios UVA e não tem como pegar aquele bronze sem garantir uma ruguinha a mais.
Então, como saber se seu protetor também está te protegendo dos raios UVA? O método mais usado pra medir isso é o PPD. Essa medida pode vir expressa em números ou por + (pode ser: PA+, PA++ ou PA+++). A nova legislação da ANVISA, exige que os protetores tenham proteção UVA balanceada, o que significa que o PPD tem que ser de pelo menos 1/3 do FPS. Por exemplo, se o protetor tem FPS 30, o PPD tem que ser, pelo menos, 10. 
Entendido isso, vamos ao FPS. A ANVISA estabelece como mínimo para comercialização um FPS de 6. Já é um avanço em relação ao FPS 2 da legislação anterior, mas ainda é muito pouco. O mínimo deveria ser um FPS15, mas sempre prefiro os produtos com, pelo menos, FPS 30. Esse costuma ser o suficiente pra boa parte das pessoas. Casos que necessitam de mais proteção: alguma condição dermatológica que piore com o sol, incluindo o melasma, pessoas muito brancas e as que se expõem bastante ao sol em sua rotina diária.
Mas uma coisa interessante sobre isso, que vem sendo estudada atualmente, é a diferença que existe entre o FPS do produto e o FPS real. Vamos combinar que ninguém aplica protetor solar corretamente, né? O certo seria aplicar 2mg por cm quadrado. Isso é muito protetor, acreditem!
Creditos e imagens daqui