Mãe de três em dois mundos diferentes e os pitacos continuam…

Natália Brida e Gustavo com o irmão Arthur
Meu bebê já vai completar 3 meses e ando com muito medo de engravidar rs… Acho que é porque tomo a tal pílula para “amamentantes” rss.. Mas, sempre penso que se acontecer vai ficar difícil mas a alegria vai ser maior.
Levanto da cama e fico acordada definitivamente todos os dias por volta de 7hs ( sim, porque as quase sempre levanto no meio da noite para alimentar meu bebê) e só durmo por volta das 23hs. Acontece as vezes de eu ficar completatemente exausta, mas basta olhar para aquele rostinho sorridente que já fico bem animada. Meu cansaço não é só físico, aqui não tenho apenas um  bebê, mas tenho também um casal de adolescentes, Natália Brida de 15 anos e Gustavo de  13 anos. Me divido em dois tipos de mãe, aquela que tem preocupações rotineiras com um bebezico, com saber se está bem alimentado, se o cocô está direitinho, se não está com frio, se não tem febre,  e tudo mais que a maioria das mamães recentes como eu já sabem. Por outro lado, sou aquela mãe que também se preocupa, com quem os filhos estão se relacionando, com quem estão falando na internet, se estão com notas boas na escola, se estão mantendo os quartos limpos e organizados (coisa rara, mas não desisto) e ainda tenho que acalmar o pai que morre de ciúmes da filha que agora está namorando ( o rapaz veio pedir a mão da moça para o pai rss). 
Vivo em dois mundos completamente diferentes e por isso tenho que rebolar. Não posso esquecer dos cuidados com meu bebê, mas principalmente não posso deixar de dar atenção aos meus adolescentes e conciliar esses dois mundos não é muito fácil… Saio de um papel para o ouro em questão de segundos.  A impressão que tenho é que com o bebê Arthur, vivo nas nuvens, tirando um susto aqui outro ali é tudo lindo e tranquilo, porque sei que estou no controle e quando o assunto é como os maiores sinto meus pés fincados no chão, bem como tem que ser na realidade, porque trago os dois na “rédea média” ( não pode ser muito curta ou corro o risco de perder o controle também) e é com eles também que realmente preciso praticar a calma e ser muito inteligente para lidar com todas as questões e polêmicas. Quem tem filhos adolescentes sabe bem do que estou falando. E não se enganem, os pitacos existem nessa fase também, eu diria que até um pouco mais ofensivos. Eu diria até que é quando  mais temos que ter paciência, sobre tudo com a família. Vou dar um exemplo fresquinho, coisa que aconteceu nessa última semana.

No lugar das dores, decidi colocar flores

Orquídeas, as minhas preferidas…
Como disse antes, não é nada fácil conciliar dois tipos de mãe, mas o amor que tenho pelos meus filhos é muito maior que as dificuldades. E os pitacos irão existir em todas as idades…