Mitos e verdades sobre a gripe

Segundo a OMS, o surto de gripe aviária da China não é motivo para pânico. VERDADE: “A OMS (Organização Mundial de Saúde) está vigilante em relação ao rastreamento e à disseminação do vírus H7N9 na China, e várias medidas estão sendo tomadas para impedir sua propagação, inclusive com colaboração internacional”, assegura Angela Beatriz Lana, otorrinolaringologista pelo Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), médica na Comunidade Europeia pela Universidade do Porto, em Portugal. A vacina para a gripe aviária, vale informar, ainda não foi desenvolvida.

 Gripe é uma coisa, resfriado é outra. VERDADE: ambos são infecções das vias respiratórias, porém a gripe só é causada pelos vírus A e B (influenza), enquanto os resfriados são provocados por centenas de vírus. Outra diferença diz respeito aos sintomas: no segundo caso, são sempre mais leves, com tosse, irritação na garganta, coriza, obstrução nasal e às vezes febre e dor de cabeça, com intensidade moderada e recuperação rápida. Já a gripe apresenta os mesmos sinais só que com mais gravidade; a febre, por exemplo, oscila entre 38ºC a 40ºC, além da conhecida dor no corpo. A duração também é muito maior: de três a 21 dias. “No resfriado, há uma discreta congestão nasal e irritação de garganta, que na maioria das vezes não impedem as atividades normais do indivíduo. Na gripe, observa-se uma queda no estado geral e vontade de não levantar da cama”, diz a otorrinolaringologista Angela Beatriz Lana

 Posso adoecer se ficar perto de uma pessoa gripada ou resfriada. VERDADE: a proximidade favorece a contaminação, pois os micro-organismos circulam no ar, em gotículas de secreção expelidas pela pessoa contaminada. Importante: apesar de a forma mais comum de transmissão ser de indivíduo para indivíduo, também é possível contrair a moléstia por meio de contato com objetos contaminados, como talheres e teclados de computador

 A gripe é sempre uma complicação do resfriado. MITO: o resfriado pode ser detonado por mais de 200 tipos de vírus e tem características inflamatórias, manifestadas por coriza e espirro, por exemplo. Já a gripe é oriunda do vírus influenza, que chega ao organismo pelas mucosas e traz sintomas como febre alta, dores no corpo e indisposição geral. Então gripe não é um resfriado mal curado, ou vice-versa, já que são situações clínicas diferentes. “Enquanto o resfriado gera um quadro leve, a síndrome gripal é mais importante porque tem a presença de febre, tosse, dor no corpo. Ambos são virais, mas não evoluem de um para o outro”, sustenta Andrea Sette, pneumologista e clínica geral do Hospital e Maternidade Rede D’Or São Luiz

A vacina da gripe pode causar os mesmos sintomas do mal. PARCIALMENTE VERDADE: há casos de pessoas que recebem a vacina e, no dia seguinte, acham que estão gripadas. Mas não se trata da doença, pois não há vírus vivo na vacina. O que ocorre é que muitas pessoas, nos dois primeiros dias após a imunização, sentem dormência e vermelhidão no local da aplicação, além de febre baixa (até 38ºC) e sintomas de uma gripe leve. Nestes casos, o vírus estava incubado e os sinais são uma resposta imunológica imediata do organismo. Importante: as contraindicações são para quem tem alergia aos componentes, como proteína do ovo, neomicina e timerosal, doenças agudas ou febris, males neurológicos em atividade e antecedente da Síndrome de Guillain-Barré (moléstia do sistema nervoso que gera fraqueza muscular progressiva e ascendente)

  Se a pessoa espirra, é sinal de que pegou um resfriado. MITO: embora seja um sintoma tanto do resfriado quanto da gripe, não necessariamente está relacionado a eles. “Pode ser sinal de reação alérgica (rinite) provocada pela mudança brusca de temperatura ou pelo contato com algum elemento estranho (alérgeno) que o corpo não reconhece”, afirma a otorrinolaringologista Angela Beatriz Lana. O espirro nada mais é do que uma resposta fisiológica do organismo na tentativa de eliminar impurezas depositadas nas vias aéreas

O alho é eficaz no combate à gripe. VERDADE: ele não cura a gripe, mas tem elementos como a alicina, de ação anti-inflamatória e antibacteriana. “Várias substâncias do alho vêm sendo relacionadas ao tratamento de resfriados e gripes, reduzindo os sintomas, como a coriza, e a duração dos mesmos”, considera a otorrinolaringologista Angela Beatriz Lana

 Vale a pena tomar chá para ajudar na cura da gripe. PARCIALMENTE VERDADE: embora não existam estudos científicos que comprovem a eficácia de chás no combate à gripe, sabe-se que alguns tipos aliviam os sintomas como chás de hortelã, menta, alho, mel e limão, por exemplo. “A menta tem poder expectorante, o alho e o mel estimulam o sistema imunológico”, diz Angela Beatriz Lana. “O chá quente provoca uma vasodilatação local que minimiza a sensação de desconforto, melhora o aporte de oxigênio e nutrientes necessários para o corpo reagir e permite a reposição de células. Além disso, fluidifica as secreções, auxiliando sua eliminação e atenuando a congestão”, conclui o clínico geral e coordenador do SalomãoZoppi Diagnósticos, Eduardo Finger

 A vitamina C ajuda na prevenção da gripe. INCONCLUSIVO: “Várias pesquisas testaram e falharam em comprovar que a vitamina C previne gripes e resfriados”, diz Eduardo Finger, coordenador do SalomãoZoppi Diagnósticos, doutor em Imunologia pela Tufts University School of Medicine. É o que mostraram alguns estudos conduzidos pelo Instituto Cochrane (Inglaterra), um deles divulgado este ano e com participação de mais de 10 mil voluntários: a incidência de gripe não diminuiu entre pessoas que ingeriram rotineiramente a suplementação em comparação com as que tomaram placebo. Por outro lado, em análise anterior, o Instituto concluiu que a vitamina ajuda a reduzir a duração dos sintomas. Quer dizer, usando o nutriente, não dá para garantir que a gripe não vá ocorrer, mas é provável que a infecção permaneça por menos tempo

  Os vírus da gripe ou do resfriado entram no corpo pelas vias aéreas. VERDADE: a porta de entrada é a respiração, o sujeito inala o que está em suspensão no ar, colocando para dentro por meio do nariz e da boca. “O contágio se dá por fala, espirro, tosse”, diz a pneumologista Andrea Sette. O quadro tem início quando o vírus começa a se dividir: as células do organismo trabalham para barrar tal processo e provocam uma reação inflamatória, com produção de muco

  O frio é um dos causadores da gripe. MITO: as infecções não têm relação com a baixa temperatura ou exposição ao frio, já que a transmissão acontece pelo contato com pessoas ou objetos contaminados. O que acontece é que, na época do frio, as pessoas tendem a ficar mais tempo em ambientes fechados, em que há pouca circulação de ar, e isso facilita a transmissão do vírus. “Portanto, o aumento dos casos no outono/inverno se deve à maior aglomeração em locais pouco arejados, já que a proximidade viabiliza a proliferação”, explica Angela Beatriz Lana, otorrinolaringologista. Curiosidade: para que um indivíduo contamine outro ao tossir, espirrar ou falar, é preciso que estejam a uma distância de no mínimo 90 cm

 O vírus da gripe ou do resfriado morre em sete dias. MITO: embora a maioria viva, em média, uma semana, há formas mais resistentes que podem permanecer no organismo por até 21 dias. “Não dá para precisar o tempo certo. Três dias antes de a gripe se manifestar, a pessoa já está com o vírus; e, quando este se manifesta, em geral permanece entre cinco a sete dias”, informa a pneumologista e clínica geral Andrea Sette. “Por durarem até três semanas, deve-se tomar o máximo cuidado com pacientes imunossuprimidos e com crianças que ainda não desenvolveram defesas específicas”, completa a médica Angela Beatriz Lana. Indivíduos imunossuprimidos, explica o clínico geral Eduardo Finger, são aqueles que, por razões diversas, não apresentam um sistema imune 100% funcional. “Ele acaba controlando o elemento invasor, vírus ou bactéria, mas, ao invés de fazê-lo em três ou quatro dias, como alguém imunocompetente, levará três ou quatro semanas”

 Vale tomar injeção (daquelas que dão em farmácias) contra a gripe. MITO: não existe injeção contra gripe ou resfriado. “Tal hábito existia no passado, mas está praticamente abandonado”, diz a otorrinolaringologista Angela Beatriz Lana, reforçando que o mais relevante é a boa hidratação, o repouso e o alívio dos sintomas com analgésicos

 O vírus da gripe se propaga apenas através do ar. MITO: imagine a seguinte situação: você dá a mão para alguém contaminado que acabou de assoar o nariz; aí, coloca a mão no seu nariz ou na sua boca. É possível que tenha carregado o vírus para dentro do seu organismo. “Gotas de saliva podem cair em superfícies como mesas e corrimão de escadas e, aí, acontecer a transmissão pelo contato com as mãos. Por isso, é tão importante a higienização”, enfatiza Angela Beatriz Lana, otorrinolaringologista pela Universidade Federal de Minas Gerais

  Não se deve tomar remédio por conta própria para curar gripe ou resfriado. VERDADE: analgésicos e antigripais não têm poder de cura e qualquer fármaco deve ser ingerido apenas para alívio dos sintomas. A automedicação é totalmente contraindicada. O que vale mais que tudo, sustentam os médicos, é ingerir muita água, comer bem e repousar. Caso não haja melhora, buscar orientação médica para adotar o tratamento adequado

 Xaropes são inofensivos e podem dar uma sensação de melhora. MITO: para início de conversa, xaropes não são inofensivos. Portanto, o médico deve ser consultado para orientar se é ou não o caso de usar xarope, e de que tipo. Há os mucolíticos, que tornam o muco mais fluido e ajudam na sua eliminação; os broncodilatadores, que aumentam o tamanho dos brônquios para facilitar a passagem do muco; e os para inibir a tosse. “Todo medicamento pode ter efeitos colaterais que variam de acordo com a pessoa. Alguns xaropes, além da propriedade expectorante, são também laxantes e originam irritação gástrica e intestinal, urticária, falta de ar”, adverte a otorrinolaringologista Angela Beatriz Lana

 Para não ter gripe, é essencial ter bons hábitos de higiene. VERDADE: a limpeza correta das mãos é uma ótima forma de prevenção, assim como a pessoa deve evitar manipular a secreção com as mãos e tossir ou espirrar em ambientes fechados, conforme salienta a pneumologista Andrea Sette

 Se em poucos dias a gripe não ceder, convém procurar o médico. VERDADE: entre dois a cinco dias, o organismo luta para curar espontaneamente resfriados e gripes. Caso os sintomas, no entanto, persistirem após uma semana, é bom consultar um especialista. “É possível que tenha se desenvolvido uma infecção secundária por bactéria”, informa a otorrinolaringologista Angela Beatriz Lana

  Hábitos simples evitam que se contraia a gripe. VERDADE: alguns deles são beber muito líquido; manter uma alimentação balanceada e equilibrada; lavar as mãos periodicamente ou com álcool gel; lavar o nariz com soro fisiológico, de forma a manter a mucosa limpa e hidratada; evitar ficar em ambientes fechados, em que haja grande acúmulo de pessoas; manter os locais de permanência – casa, trabalho, arejados; não usar o ar-condicionado, que resseca o ar e desidrata o muco protetor da faringe, facilitando a entrada de vírus. “Vale, também, desinfetar superfícies, como mesa de trabalho, telefones, teclados, controles remotos”, recomenda Angela Beatriz Lana, médica formada pela Universidade Federal de Minas Gerais, acrescentando que é importante dormir bem, porque a privação de sono faz cair a imunidade

 Pneumonia é uma gripe mal curada. MITO: a gripe é causada pelo vírus influenza e deixa as defesas debilitadas, facilitando a entrada de elementos invasores. Então, embora aumente o risco de se contrair a doença, não se pode dizer que a pneumonia seja uma gripe mal curada. A otorrinolaringologista Angela Beatriz Lana aconselha, no entanto, que o paciente observe se os sintomas da gripe mudam ou pioram com o tempo. “A pessoa pode ter desenvolvido outras disfunções, como bronquite, otite, sinusite e até pneumonia. Neste último caso, há tosse com bastante secreção, dor no peito ao tossir, febre e falta de ar”

 Sair do banho quente e se expor à friagem ou tomar sorvete no inverno ajuda a pegar gripe. MITO: não há comprovação científica que relacione tais atos com a contração do distúrbio. A infecção só acontecerá se o sujeito entrar em contato com o vírus. Idem para o medo de dormir com o cabelo molhado: o máximo que pode ocasionar é uma crise de rinite, já que a umidade favorece a proliferação de fungos que resultam em reação alérgica. “As variações bruscas de temperatura, em pacientes sensíveis que têm asma ou rinite, contribuem para um quadro desconfortável de congestão que, no entanto, não configura gripe ou resfriado”, explica o clínico geral Eduardo Finger

 A vacina contra a gripe é 100% eficiente. MITO: a vacina cobre os três vírus gripais que estejam prevalecendo na época, no caso, três subtipos do vírus influenza: H1N1, H3N2 e B, explica a otorrinolaringologista Angela Beatriz Lana. “Como os vírus são mutantes, não há a garantia de 100% de eficiência. De qualquer forma, a vacina ajuda a evitar quadros mais graves de gripe, e tem cobertura ampla para as viroses”, completa a pneumologista Andrea Sette. Estudos mostram que a proteção em crianças e adultos saudáveis pode ser de 70% a 90% e que a necessidade de hospitalização por pneumonia em maiores de 60 anos é reduzida em até 70%

 Quando a vacina é tomada todo ano, corre-se o risco de ela perder a eficiência. MITO: os vírus sofrem mutações e, por isso, o Ministério da Saúde modifica o conteúdo anualmente. “A cada ano, uma nova vacina com os vírus mais comuns que circulam no ambiente é produzida. Quanto mais pessoas tomarem a dose, menos estes vírus se espalharão pela comunidade”, diz Angela Beatriz Lana, médica pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais

  Não há vacina contra resfriado. VERDADE: o motivo é que há uma variedade enorme de vírus causadores, e seria impossível contemplar todos

  Beber muita água é obrigatório para melhorar o quadro. VERDADE: sintomas como tosse seca ou com secreção, coriza e nariz entupido, por exemplo, melhoram com a ingestão de água. Além de ajudar a umedecer as secreções para que sejam expelidas, o hábito também auxilia no controle da febre, já que ela sobe com a perda de líquido pela transpiração. “A hidratação para qualquer tipo de virose é importante: fluidifica infecções e elimina a secreção nasal, além de tornar mais fácil a expectoração da tosse. Quanto mais espesso o catarro e a coriza, mais dificuldade o organismo tem para eliminá-los”, insiste Andrea Sette, pneumologista e clínica geral do Hospital e Maternidade Rede D’Or São Luiz. “Vale tomar água e também sucos e chás. O cuidado manterá as mucosas úmidas, prevenindo as dores de garganta”, completa Angela Beatriz Lana, médica pela Universidade Federal de Minas Gerais

Saiba mais 

Créditos – UOL

Beijos

Flávia

www.bichomae.com