O exemplo sempre será a melhor lição de casa

O exemplo sempre será a melhor lição de casa

Educação e exemplo vêm de berço. Ainda que pareça arrogante, essa constatação é absolutamente verdadeira. Desde muito cedo, a conduta dos pais é a principal referência da criança, que se apoia fundamentalmente nela para construir sua noção de ética e moral. Conceitos como justo e injusto, certo e errado, são transmitidos em situações corriqueiras do dia a dia e servem de base para que a criança, mais tarde, descubra seus próprios valores.

Nada passa despercebido para os filhos, quando cada atitude da família passa a ser comparada com os conceitos que a criança assimilou como certos. A tarefa não é fácil. Algumas vezes, manter a coerência entre o discurso e a prática exige repensar e mudar alguns comportamentos. E qualquer contradição entre o que se diz e o que se faz, não se iluda, serão reconhecidos na hora pela criança.

Quem costuma fazer promessas sem cumpri-las, hora ou outra, será encostada na parede: “Você disse que a gente precisa falar sempre a verdade, obedecer a horários, então porque esqueceu de me levar à casa da vovó na hora combinada?”, cobram os pequenos com toda razão. Afinal, qual é a regra? Não dá para reclamar. A criança está procurando um modelo de comportamento e educar um filho é um aprendizado diário. Muitas vezes, inclusive são eles que nos motivam a melhorar nossa forma de agir.

Não existe receita para formar adultos íntegros, justos e coerentes. Mas se, por meio de exemplos simples, práticos e rotineiros, os pais conseguirem passar a noção de que ser correto é um valor fundamental e que a vontade individual não está acima de tudo é um grande passo para a formação de um ser humano melhor, capaz de enxergar além dos limites da sala da própria casa.Quando se trata de criar modelos e mostrar exemplos, é bom ficar atento a algumas dicas que ajudam reforçar valores e também evitam armadilhas que podem desmoralizar as “lições”.

Coerência é fundamental. Fica difícil manter a credibilidade quando você faz apologia ao meio ambiente e depois joga lixo em plena praia. Mesmo as pequenas infrações, como fumar em locais fechados, furar a fila do cinema, etc., transmitem a ideia de que “tudo pode ser feito desde que o segurança não esteja por perto”.

É preciso orientar sobre os perigos, mostrar as formas de se precaver, mas sem impedir a criança de ter contato com a realidade. De vez em quando, andar de ônibus ou metrô vai ajudar seu filho a construir uma imagem real da cidade e da comunidade em que vive. Falar a verdade sempre é um bom princípio a ser valorizado, não há dúvida. Mas a crença em tal virtude pode cair na desmoralização total se, qualquer dia desses, você, ao ser chamada ao telefone, sapecar sem constrangimento: “ai, aquele chato de novo! Faz um favor para a mamãe? Diz que eu não estou”.

Se você ensina e educa com amor, tudo fica gravado e reservado num cantinho especial, e lá na frente verás que todo seu esforço e cautela valeu a pena.

Créditos : Sucesso em Revista