Amamentar

Por Kalu – Blog Mamíferas
Fiquei indignada com o desserviço da matéria intitulada a pressão de ser uma mãe vaca. Claro que poucas mães fisiologicamente não conseguem amamentar. Mas em geral a falta de orientação, muitas vezes pelos próprios pediatras, é o que leva ao desmame precoce.
Amamentar exige dedicação sobretudo uma disposição física e emocional. Contudo o leite materno é o alimento mais rico e perfeito para o bebê. Não há leite de vaca enriquecido que possa substituir o contato, a relação que se estabelece na amamentação.
Sabemos que não é fácil. No começo pode ser bastante dolorido, o peito pode ferir. O ideal é procurar por ajuda de bancos de leite para orientação quanto à pega correta ou até mesmo um grupo de ajuda para conseguir um apoio a mais para persistir com a amamentação.
Os primeiros meses pode ser que aquela cena de mulher sorrindo dando de mamar não aconteça contigo. Mas eu garanto: em pouco tempo o prazer chega e seu filho vai poder nutrir-se do melhor dos alimentos com amor AMAmentar é um ato de amor.
Ninguém é mais mãe ou menos mãe porque amamenta. Esse discurso não cabe por aqui. Existem sim casos reais de dificuldades com amamentação. Duas sobrinhas do meu marido passaram por isso. No caso de peito muito rachado, o melhor é tentar ordenhar o leite e oferecer no copinho de vidro. Lembrando que a introdução e bicos artificiais, seja mamadeira ou chupeta, fazem com que o bebê cada dia mame mais errado e fira ainda mais o peito.
E até seis meses, nada de chazinho, suqinhos, aguinha. Uma pesquisa grega provou que bebês alimentados exclusivamente com leite materno até os seis meses de idade ganham proteção extra contra infecções.
Segundo os especialistas da Universidade de Creta, o segredo estaria na composição do leite materno. A equipe ressalta, no entanto, que o benefício só ocorre quando o bebê éalimentado com leite da mãe apenas. Ou seja, acrescentar fórmulas, chás ou mesmo água revezando ao leite materno não produz o mesmo efeito.
Segundo o Ministério da Saúde, aleitamento exclusivo é só Leite Materno. Quando há a introdução de outro alimento, a nomenclatura é aleitamento predominante e aleitamento parcial é Leite Materno juntamente outros alimentos ou leite artificial.
Mesmo que por necessidade de tratamento (reidratação, cólicas, etc), Segundo a Enfermeira Obstetra Miriam Rego, qualquer líquido diferente do Leite Materno altera a flora intestinal do bebê e diminui a proteção conferida pelo Leite Materno exclusivo.
Muitas mães afirmam que só deram peito desde o dia que o bebê nasceu, mas mesmo assim não tiveram leite suficiente, e por isso, aos 3 meses de idade, a criança está desmamada. Basta uma investigação simples para descobrir que “só peito” foi peito, água, chá, suco, e tudo na mamadeira. Na cabeça de muita gente dar só peito significa não dar um prato de comida ou uma papa doce. Mal instruídas geraram o desmame da própria cria. Porém, ao propagarem que o leite secou mesmo fazendo tudo correto, essas mulheres estão alimentando o preconceito de que leite seca sem motivo, de que existe mulher sem leite.
Geozeli, uma mãe querida de Belo Horizonte, contou a seguinte analogia que fez para uma tia minha que queria que desse água ao bebe. “ Imagina o tamanho do estômago de um bebê de 60cm. Minúsculo! E ele não tem o hábito de manter o estômago cheio e vazio, pois no útero, a “alimentação” era ininterrupta e sanguínea. Qualquer 3 colheres de chá ocuparão a vaga do precioso Leite Materno”.
Esse tipo de reportagem passa a mão na cabeça de quem não recebeu correta orientação e tem a visão equivocada que dar de mamar é igualar-se a uma vaca. Sem contar que dar o peito é algo com uma conotação sexual que incomoda muita gente.
A questão não é sair atirando pedras dizendo: eu não tive leite, não sou menos mãe porque escolhi não amamentar. O X de toda a coisa é saber que amamentar pode ser difícil e com orientação e persistência é possível oferecer o melhor alimento do mundo. Quem não o fizer que assuma as responsabilidades. Sem culpa, mas com consciência.